Vídeo: Síndico é nocauteado por morador após avisar que saco de boxe seria removido | Brazil News Informa



Vídeo: Síndico é nocauteado por morador após avisar que saco de boxe seria removido | Brazil News Informa




O síndico Wahby Abdel Karim Khalil, de 42, foi agredido na quinta-feira (17) por um professor de artes marciais, após desentendimento sobre o saco de boxe da academia coletiva, de um prédio em Águas Claras (DF). De acordo com o síndico, ele informou ao morador Henrique Paulo Sampaio Campos que o aparelho estaria estragando o teto e, por isso, precisaria ser removido do local.

Câmeras de segurança flagraram o professor dando um soco em Wahby, que caiu no chão e bateu a cabeça. Uma terceira pessoa que estava no local acompanhando a discussão tentou intervir, mas teria sido ameaçado por Henrique Paulo, e deixou o local.

O professor seguiu exaltado e falando agressivamente, apontando para a vítima, que demora a conseguir se levantar. Outros moradores socorreram o síndico, que procurou a 21ª Delegacia de Polícia, em Taguatinga (DF), para registrar um boletim de ocorrência contra o agressor. A Polícia Civil investiga o caso.

Conforme Wahby, há um ano, o morador instalou o saco de boxe na academia do prédio. No entanto, no início de março, foram detectadas rachaduras no teto. Por isso, o síndico decidiu comunicar o homem que seria necessário retirar o aparelho e levar o caso à assembleia.

“Ele não gostou, tentei justificar e fui surpreendido com o soco. Foi tão forte que fiquei desacordado”, contou o síndico ao Uol. Wahby foi encaminhado ao IML (Instituto Médico Legal) e depois levado para um hospital particular, onde está realizando exames na cabeça e no maxilar.

Ele afirma ainda que quebrou alguns dentes e espera a análise dos médicos para saber se irá passar por cirurgia. Segundo o advogado Edson Alexandre, o morador já tem histórico de agressões. Edson informou ainda que o síndico e o funcionário da academia estão com medo.

“Já estamos tomando as medidas cabíveis, inclusive pedindo o afastamento do morador do prédio”, explicou o advogado ao Uol. A reportagem do Uol tentou conversar com Henrique Paulo, mas até o momento não obteve resposta.

Fonte: IstoÉ

Postar um comentário

0 Comentários