Entenda o caso do sem-teto espancado por personal trainer no DF | Brazil News Informa



Entenda o caso do sem-teto espancado por personal trainer no DF | Brazil News Informa



Na última quarta-feira, 9, um vídeo de um morador em situação de rua sendo agredido por um personal trainer ganhou grande repercussão na internet. Depois de presenciar a esposa tendo relações intimas com o sem-teto, o treinador Eduardo Alves, 31, espancou o homem e alega que a mulher, de 33 anos, foi estuprada. No entanto, as autoridades ainda não chegaram à uma conclusão sobre quais possíveis crimes foram cometidos neste caso.

A repercussão nas redes sociais, porém, veio dias depois da divulgação do vídeo do episódio. Nesta quarta-feira, 16, foi um dos assuntos mais comentados no Twitter.

Mesmo com o caso tendo sido registrado por câmeras de segurança, ainda há pontos a serem esclarecidos pela investigação da polícia.


O vídeo

A situação foi gravada em vídeo por câmeras de segurança de uma casa na rua onde o carro da mulher estava estacionado. O caso viralizou nas redes sociais, o que aumentou a sua visibilidade.

Nas imagens, Eduardo aparece batendo nos vidros do carro por alguns momentos até conseguir abrir a porta do veículo. Ele, então começa a agredir o sem-teto enquanto ele ainda está no interior do carro.

Em seguida, o personal aparece conversando ao telefone enquanto agredia o homem fora do veículo, enquanto a mulher se veste. Ela, em determinado momento, se ajoelha no chão durante o tempo em que o homem é agredido.

O personal
No momento em que aparece falando ao celular, o personal trainer, Eduardo Alves, estava ligando para o 190 e alegou que a esposa foi vítima de violência intima.

Na 16ª Delegacia de Polícia, em Planaltina (DF), responsável pela apuração do caso, ele explicou sua versão e disse que a mulher estava com problemas psicológicos e saiu com a mãe dele no dia do ocorrido.

“Ele [Eduardo] relatou que, após ajudar um morador de rua em Planaltina, as mulheres (mãe e esposa) haviam se separado. Ele procurou pela esposa e, ao avistar o carro estacionado, imediatamente se aproximou, momento em que viu a mulher com um homem, tendo relações. Nesse momento entrou em luta corporal”, afirmou, em nota a UOL, a Polícia Civil.

Conforme depoimento, Eduardo contou que durante quatro horas procurou a mulher e tentou ligar para o telefone dela, que estava desligado.

O agredido

O morador em situação de rua, Givaldo Alves de Souza, 48, afirmou ainda no hospital que a mulher parou o carro no lugar que ele costuma dormir e o chamou. De acordo com seu depoimento à polícia, ela teria proposto “Vamos brincar?”. A mulher, então, o convenceu a entrar no veículo antes deles serem flagrados pelo “homem bravo” no momento em que estavam tendo relações.

Givaldo afirma, ainda, que não sabia que a mulher era casada e que foi procurado nas imediações do lugar onde costuma dormir, perto da escola Centro de Educação Fundamental Paroquial de Planaltina.


Esposa diz que enxergou Deus no sem-teto

Em áudios da esposa de Eduardo, que, apesar de circularem na internet, ainda não tiveram a veracidade confirmada pela polícia, ela conta como manteve relações intimas com o sem-teto. Ela afirma que enxergou Deus, e o próprio marido, no homem.

“Eu não conseguia nem falar e nem abrir meus olhos. Meu coração estava acelerado, mas eu não conseguia sentir ódio do homem que fez isso comigo porque eu só enxergava Deus nele. Eu só enxergava Deus. Não sei explicar”, diz a mulher em uma mensagem de áudio.

Ela ainda diz que encontrou o homem em frente a um quisoque, na Rodoviária de Planaltina, e que ele fumava um cigarro.

“Tirei o cigarro da mão dele e falei: você não vai fumar mais […] porque você já está curado. E aí eu já enxergava ele como o Eduardo [marido], sabe? Já não estava enxergando ele como Deus. Aí eu tirei o cigarro da mão dele e joguei no lixo. Ele falou: vamos conversar? E eu disse: vamos”, diz a mulher, em áudio.

Eles, então, foram para o carro onde passaram a manter relações intimas.

O elemento fé

Eduardo acionou um pastor conhecido da família que disse à polícia que a mulher teria ido até ele dias antes da ocasião falando que “queria ajudar na obra de Deus”. Segundo o pastor, ela teria manifestado interesse em ajudar pessoas em situação de rua. Ele disse, também, que acredita que ela apresentava problemas psicológicos e relatou para a polícia que, ao se encontrar com ela no hospital depois do caso, ela disse “de forma confusa que havia recebido uma mensagem de Deus”, e também afirmou que as relações com Givaldo foram consensuais.


A repercussão

Rapidamente a imagem do personal e da esposa foi divulgada nas redes sociais, bem como áudios atribuídos à mulher, que ainda não tiveram veracidade confirmada.

O casal precisou apagar os perfis das redes sociais após a situação.

Eduardo disse que a esposa foi violentada.

“Ela sempre foi uma mulher honesta, trabalhadora, temos atividades profissionais e filhos pequenos. O que aconteceu na última quarta-feira foi algo terrível que nunca havíamos vivenciado. Seguimos confiantes no trabalho de investigação da Polícia Civil do DF e do Ministério Público do DF”, disse ele sobre a esposa

Conforme explicou a defesa dos dois, o caso afetou toda a família, e em uma nota assinada por Eduardo, consta que a mulher além de sofrer violência intima, está sofrendo outra violência ao ser acusada, em rede nacional, de traição.

Os envolvidos
Eduardo Alves não foi preso e deve permanecer em liberdade até o fim da investigação. Já sua esposa segue internada em um hospital particular.

Givaldo foi socorrido por bombeiros e encaminhado a um hospital com ferimentos na região do rosto e recebeu alta na última segunda-feira, 14.

As apurações devem esclarecer se, no contexto do crime, houve ou não violência intima. O delegado responsável pelo caso não irá falar sobre o tema, que seguirá em sigilo.

Fonte: R7

Postar um comentário

1 Comentários

  1. A história parece mal contada. Co.k uma pessoal q conhece a Deus vai manter relações sexual? Pode até ser uma história ensaiada mais a me n convenceu. Se a imagem q foi postada é de fato a do mendigo ela se sentiu atraída sim. Muito estranha essas história até posso está pecando

    ResponderExcluir