Publicidade

Em dia de motociata, Bolsonaro gastou R$ 62 mil em restaurante de SP que cobra, em média, R$ 30 por prato | Brazil News Informa

Em dia de motociata, Bolsonaro gastou R$ 62 mil em restaurante de SP que cobra, em média, R$ 30 por prato | Brazil News Informa

Os gastos com o cartão corporativo da presidência da República durante o mandato do ex-presidente Jair Bolsonaro vieram a público nesta quinta-feira (12) e muitas despesas chamaram a atenção. Entre elas está o gasto de R$ 626 mil, entre 2019 e 2022, com uma lanchonete localizada numa região nobre da capital paulista.

Entre prédios comerciais e residenciais, o restaurante Tony e Thais fica em uma das esquinas da Av. Divino Salvador com a Alameda dos Jurupis, no Planalto Paulista. O estabelecimento é uma mistura de bar, restaurante e lanchonete e tem um cardápio típico dos restaurantes paulistanos com pratos do dia como virado à paulista, servido às segundas-feiras, e feijoada, servida às quartas e aos sábados.

Durante o governo de Jair Bolsonaro, os gastos neste local variaram entre R$ 150 e R$ 62,2 mil. A maior despesa feita no restaurante foi em 15 de abril do ano passado, quando foram realizadas cinco compras no valor de R$ 9,5 mil e uma compra de R$ 5,2 mil. No mesmo dia, o então presidente participou de uma motociata em São Paulo (SP).

Outro gasto que chama atenção ocorreu em fevereiro de 2019, enquanto o então presidente estava internado no Hospital Albert Einstein, no Morumbi, em São Paulo. No dia 11 daquele mês, quando Bolsonaro foi transferido para o quarto do hospital, a comitiva dele gastou R$ 15.270,00 no restaurante. No total, 102 compras foram efetuadas no estabelecimento com o cartão corporativo.

A reportagem da ISTOÉ visitou o local nesta quinta-feira (12) e constatou que o preço médio de uma refeição é R$ 30. Uma feijoada completa, que serve três pessoas, sai por R$ 90. Já os sucos custam em média R$10.

Em uma conta simples, seria possível comprar 12,5 mil refeições, com custo médio de R$ 50, com o valor gasto no cartão corporativo nos últimos quatro anos apenas no restaurante Tony e Thais.

De Lula a Bolsonaro

O restaurante Tony e Thais funciona desde 2005 e atende as comitivas presidenciais pelo menos desde 2007. O levantamento da reportagem, com base nos dados publicados em resposta a um pedido feito pela agência Fiquem Sabendo por meio da Lei de Acesso à Informação, aponta que no total a empresa já recebeu R$ 1,4 milhão em pagamentos com o cartão corporativo.

No segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), foram gastos R$ 102.625,00. Nos dois mandatos da ex-presidente Dilma Rousseff, o estabelecimento recebeu R$ 307.619,00. Já no governo de Michel Temer, a despesa com o restaurante foi de R$ 449.530,00. Esses valores não estão reajustados pela inflação.

Em nota divulgada nas redes sociais, o restaurante Tony e Thais informou que a empresa forneceu alimentos para as comitivas de quatro presidentes e repudiou as denúncias caluniosas que recebeu nas últimas horas.

Leia a nota na íntegra:

“Por conta das recentes denúncias caluniosas feitas sobre nossa empresa Tony e Thais, viemos a público informar:

A lanchonete Tony e Thais, desde 2005, vem servindo nossos amigos e clientes de Moema e de São Paulo com transparência, profissionalismo e amizade, sempre dentro da legalidade.

Nas últimas horas nossa empresa tem sofrido denúncias infundadas e caluniosas.

Com isso, informamos que nossa empresa sempre atendeu a todos, sem nenhuma restrição, e que nossas ações são e sempre foram embasadas no poder da lei.

Sobre as vendas para a comitiva presidencial, nossa empresa fornece alimentos para a comitiva desde o ano de 2006, com excelência e justo trato em todas as negociações, tanto que atendeu as comitivas de quatro presidente diferente nesse período, inclusive, novamente, o presidente recém eleito.

Sendo assim, agradecemos a todos os nossos clientes e amigos pela preferência. Ao tempo que repudiamos as ações criminosas e irresponsáveis veiculadas pela imprensa e redes sociais.”

Demais gastos no cartão corporativo

No total, o ex-presidente Jair Bolsonaro gastou R$ 27,6 milhões no cartão corporativo durante os quatro anos de mandato. Aproximadamente R$ 13,6 milhões correspondem a pagamentos de hospedagens.

Segundo os dados, Bolsonaro gastou R$ 1,4 milhão apenas no Ferraretto Hotel, que fica em Guarujá, no litoral de São Paulo.

Já as despesas com alimentação e supermercado chegaram a R$ 10,2 milhões. Apenas com sorvetes foram gastos cerca de R$ 8,6 mil. Com materiais de limpeza e higiene, Bolsonaro gastou aproximadamente R$ 207,9 mil.

Além disso, foram gastos R$ 31,4 mil em despesas com excesso de bagagens, R$ 17 mil em materiais de cama, mesa e banho e R$ 42 mil em farmácias.

Fonte: IstoÉ

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Até então achei tudo normal os gasto pessoal, é só observar que ele não anda sozinho mesmo se quisesse. E logicamente bancou alimentação para muitos. Eu faria o mesmo sinceramente... Afinal, para quem recebe de aposentadoria um valor bem mais expressivo de que um Presidente, um cartão corporativo é para estourar mesmo kkk Se não quer que eventos como esses aconteçam! É só bloquear o cartão kkkk Pronto! Mesmo assim, acredito que ele faria o mesmo.

    ResponderExcluir