Publicidade

PIX terá cobranças de taxas a partir de 2023? Veja | Brazil News Informa

PIX terá cobranças de taxas a partir de 2023? Veja | Brazil News Informa


O sistema de transferência por Pix parece ter chegado para ficar no Brasil. Milhões de brasileiros já costumam usar a ferramenta para pagar ou receber dinheiro de forma mais rápida de maneira eletrônica. Nas eleições deste ano, começou a surgir a ideia de que o sistema poderia começar a ser taxado. Contudo, trata-se apenas de uma fake news.

Não há nenhuma indicação de que a campanha do presidente eleito Lula (PT) chegou a estudar a possibilidade de taxar as transações por Pix. De acordo com as notícias falsas, o governo começaria a cobrar um valor por cada transferência. A assessoria do PT, no entanto, nega que esta seja a intenção do presidente eleito.

Também é falso que o futuro governo estaria planejando acabar com o sistema. Assim, o cidadão pode ficar tranquilo. Ao menos até este dia 1º de novembro de 2022, não há nenhuma indicação de mudanças significativas sobre o sistema de PIX. Em regra geral, tudo deverá permanecer como está atualmente, e qualquer mudança acontecerá no sentido de melhorar o sistema.

Vale lembrar que o processo de transferência por Pix foi criado por servidores do Banco Central (BC) e os estudos começaram ainda durante o governo do ex-presidente Michel Temer. Logo depois, o governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) não aplicou nenhuma alteração e Lula deverá se comportar da mesma forma nos próximos quatro anos.

Aliás, qualquer cidadão pode criar um pix para chamar de seu. Para tanto, basta acessar o app do seu banco em seu celular e criar uma chave própria. Assim, o indivíduo poderá receber e transferir dinheiro com mais velocidade e praticidade.

Fake news

Recentemente, até mesmo o portal de notícias UOL teve que se pronunciar sobre as fake news que estavam circulando. A montagem que estava sendo compartilhada levava o selo do site.

“É falso que o UOL tenha publicado que o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse que vai começar a taxar transferências bancárias por Pix, após encontro com banqueiros”, diz uma postagem do site ainda durante o segundo turno das eleições presidenciais.

“Não há nenhuma matéria sobre o assunto e o UOL Confere já publicou inclusive um desmentido sobre suposto apoio de banqueiros ao petista em troca da revogação do Pix”, completa a nota do site, negando mais uma narrativa falsa que circula pela internet.

Além do PIX

O Pix não foi o único alvo de fake news durante o processo eleitoral deste ano. Tampouco, o presidente eleito Lula (PT) foi a única vítima. Centenas de informações falsas circularam e podem ter atrapalhado o processo eleitoral deste ano.

É falso, por exemplo, que o presidente Jair Bolsonaro tenha estudado a redução do salário mínimo ou o corte de benefícios sociais como seguro-desemprego e o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) dos trabalhadores.

Também é falso que o ex-presidente Lula lançou projetos para tentar fechar igrejas ou criar banheiros públicos unissex. Boa parte destas mentiras foram bloqueadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas algumas delas circulam até hoje.


Postar um comentário

0 Comentários