Publicidade

COMUNICADO GERAL para quem recebe os benefícios do INSS | Brazil News Informa

COMUNICADO GERAL para quem recebe os benefícios do INSS | Brazil News Informa

O governo do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ainda não começou, mas alguns pontos já estão começando a ser adiantados por membros da equipe de transição. Um dos temas que mais geram curiosidade é a questão da prova de vida do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Afinal de contas, como este procedimento vai funcionar?

A prova de vida é um sistema que precisa ser feito regularmente pelos segurados do INSS. A ideia, como o próprio nome já diz, é que o cidadão prove que está vivo e siga recebendo a sua aposentadoria normalmente. Quem não faz o procedimento regularmente, corre o risco de perder os seus benefícios.

Inicialmente, o plano de realização da prova de vida exigia que os segurados fossem pessoalmente até uma agência do banco, para comprovar que estavam vivos. No entanto, nos últimos meses, o governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) decidiu considerar alguns outros pontos como prova de vida.

A votação nas eleições presidenciais deste ano, por exemplo, serviu como prova de vida. Milhares de idosos que foram votar não precisarão realizar o procedimento mais uma vez. Afinal de contas, o sistema do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já considera que ele está vivo. A informação é repassada ao INSS.

O que o novo governo fará sobre a prova de vida?

Em entrevista nesta semana, o ex-ministro da Previdência Social e integrante da equipe de transição José Pimentel defendeu a manutenção do sistema atual. Entre outros pontos, ele disse que as ferramentas tecnológicas evoluíram e o INSS poderá contar com a validação deste formato que está valendo agora.

“A primeira prova de vida foi feita em 2009 e não precisou de ninguém. Fizeram nas agências do INSS sem tumulto. E aqueles que tinham qualquer dificuldade para se locomover, o funcionário do INSS ia na casa dele e fazia a prova. De lá para cá, a tecnologia evoluiu muito. Por exemplo, hoje tem a biometria no processo eleitoral. Por que não utilizar aqueles que participam do processo eleitoral como prova de vida? Perfeitamente possível”, disse ele.

“Em 2009, nós tínhamos em torno de 60% dos beneficiários da Previdência, que era concedida (em) até 30 minutos através do reconhecimento automático do direito previdenciário, e isso foi desativado. Esse é o problema”, seguiu Pimentel em declaração dada em Brasília.

O ex-ministro disse ainda que o futuro governo não deve discutir ao menos neste primeiro momento a revogação de qualquer ponto da Reforma da Previdência. Pimentel é um dos nomes cotados para atuar no comando do Ministério da Previdência Social, que deverá ser separado do Ministério do Trabalho a partir de 2023.

O que muda para o segurado

A declaração de Pimentel é a primeira de um aliado de Lula sobre este assunto. Mesmo durante a campanha das eleições presidenciais deste ano, o tema da prova de vida não foi debatido pelos candidatos que passaram pelo segundo turno do pleito.

Em caso de manutenção das medidas aprovadas ainda durante o governo de Bolsonaro, os segurados do INSS não mais precisarão se preocupar com as visitas periódicas aos bancos para confirmar que estão vivos.

Além da questão da votação nas eleições, o INSS poderá contar com uma série de outras informações cruzadas para saber se o segurado está vivo ou não. Podemos citar, por exemplo, registros de vacinação, consultas no Sistema Único de Saúde, emissão de passaportes, carteiras de identidade ou de motorista, entre outros.


Postar um comentário

0 Comentários