Publicidade

Damares usa estupro infantil no Pará para defender Bolsonaro | Brazil News Informa

Damares usa estupro infantil no Pará para defender Bolsonaro | Brazil News Informa

Envolvido em polêmicas desde antes de assumir a Presidência em 2019, Jair Bolsonaro (PL) montou uma equipe ministerial que também foi destaque em outros episódios por suas falas e opiniões controversas.

A mais recente polêmica de figuras ligadas diretamente ao presidente e candidato à reeleição diz respeito a uma fala da ex-ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves. Ela, que foi eleita senadora do Distrito Federal no dia 2 de outubro, citou supostos casos intimos com bebês e relações crianças no Pará para defender políticas da gestão de Bolsonaro.

Discursando dentro de uma igreja evangélica da Assembleia de Deus em Goiânia-GO, Damares defendeu que "o inferno se levantou contra Bolsonaro", antes de falar sobre supostos casos chocantes descobertos enquanto esteve a frente da pasta ministerial.

“Bolsonaro tem uma compreensão espiritual que vocês não têm ideia. Fomos para a Ilha do Marajó e descobrimos que nossas crianças estavam sendo traficadas por lá, e que essas crianças comem comida pastosa para o intestino ficar livre na hora da relação (utilizando o reto)”, disse.

“Nós temos imagens de crianças nossas, brasileiras, de 4 anos, 3 anos, que quando cruzam as fronteiras, sequestradas, os seus dentinhos são arrancados para elas não morderem na hora”, continua a ex-ministra bolsonarista.

Além disso, Damares conta que o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos armazena imagens de abuso de crianças. “Eu descobri que, nos últimos sete anos, explodiu o número com recém-nascidos. Nós temos imagens, lá no ministério, de crianças de oito dias sendo criminalizadas; um vídeo de crianças custa entre R$ 50 mil e R$ 100 mil”, conta.

As falas chocantes foram usadas como argumento para justificar o suposto “maior serviço de desenvolvimento regional do País” na Ilha do Marajó, segundo Damares.

Chama a atenção no discurso da ex-ministra que tais informações nunca foram repassadas à imprensa, nem sequer foi anunciada qualquer prisão de pessoas pelos crimes citados por ela.

Outro ponto importante a ser destacado é a falta de envolvimento de demais órgãos em possíveis investigações acerca destes casos, o que levanta suspeitas sobre a veracidade da fala de Damares e instiga sobre um possível uso de crimes chocantes como "promoção eleitoreira" às vésperas do segundo turno das Eleições 2022.

Fonte: DOL



Postar um comentário

0 Comentários