Publicidade

Reajuste do salário mínimo é deferido: confira o novo valor! | Brazil News Informa

Reajuste do salário mínimo é deferido: confira o novo valor! | Brazil News Informa

Os valores do reajuste do novo salário mínimo já saíram. Nesse caso, houve uma diferença frente à primeira estimativa, que pode não indicar uma alteração visível de ganho. Com isso, fica o questionamento: será que esse reajuste vai trazer ganhos reais ao bolso dos cidadãos brasileiros?

Se você está curioso para saber mais sobre o novo valor, continue nos acompanhando logo abaixo para conferir todas as informações importantes que separamos especialmente para você!

Qual será o valor do salário mínimo em 2023?

A princípio, a base para o reajuste do salário mínimo é o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Neste ano, ele acabou sofrendo um recuo de 1% em sua previsão. Ou seja, frente à antiga estimativa de 7,14% até a metade de setembro, contaremos com uma atualização de 6,54%.

Atualmente, o salário mínimo está fixado em R$ 1.212, mas a previsão para o próximo ano é de que ele se mantenha abaixo de R$ 1.300. O reajuste, aliás, acontece com base na inflação do ano anterior para que os cidadãos não sejam prejudicados, bem como seu poder de compra.

Apesar disso, mesmo que o ano ainda não tenha chegado ao fim, o Governo Federal realiza previsões baseadas em estatísticas para projetar o reajuste do ano seguinte. Dessa forma, segundo as novas projeções da Secretaria de Política Econômica divulgadas em 15 de setembro, o INPC deve fechar com uma alta fixa de 6,54%.

Em síntese, esse índice é responsável por medir o nível de inflação no Brasil e, consequentemente, influencia diretamente no piso nacional, que precisa seguir a porcentagem indicada. Dito isso, o salário mínimo no ano que vem tabém recebe um reajuste de R$ 6,54, fechando em, aproximadamente, R$ 1.294.

Função do salário mínimo

Em síntese, o valor indicado pelo salário mínimo não é, necessariamente, o mínimo necessário. Na verdade, ele é calculado com base na garantia dos recursos básicos dos cidadãos brasileiros. Dessa forma, o valor final é considerado como o menor valor possível para que as famílias sobrevivam no país. Tudo isso, claro, levando em consideração aspectos como saúde, moradia, educação, alimentação, transporte, lazer, dentre outros.

Contudo, na prática a situação é bem diferente. Isso porque o salário mínimo nem sempre é suficiente para garantir esses aspectos básicos na vida dos cidadãos. Além disso, com a inflação cada vez mais alta, fica ainda mais difícil conseguir bons preços em itens de consumo e bens.

Assim, para se adaptar à realidade econômica do país, os brasileiros precisam readaptar seus hábitos de consumo. Por exemplo, na alimentação é comum que a população realize a substituição de produtos de marcas mais famosas por semelhantes, mesmo que a qualidade seja inferior. Para o ano que vem, é provável que práticas como essa ainda sejam comuns, pois o salário, aparentemente, não apresentará mudança real para os consumidores.

Fonte: Pronatec



Postar um comentário

0 Comentários