Vídeo: Com Genital na mão, stalker aborda mulher de policial| Brazil News Informa



Vídeo: Com Genital na mão, stalker aborda mulher de policial| Brazil News Informa




Há semanas, a mulher de um cabo da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) é alvo de assédios de um stalker. O homem enviava cartas apaixonadas e caixas de chocolate para a casa do policial sempre que ele ia para o serviço. Identificando-se apenas como “admirador secreto” nos manuscritos encaminhados a mulher, o suspeito chegou a abordar a vítima na rua, com a genital na mão. O caso aconteceu na madrugada de quarta-feira (5/4), na Colônia Agrícola Samambaia.

Imagens registradas por câmeras de segurança flagraram o momento da importunação intima. A vítima voltava para casa, por volta de 3h, quando foi chamada pelo nome. O homem estava próximo a um muro, se tocando e segurando um cachorro pela coleira. A mulher percebeu que se tratava de um vizinho que mora próximo a sua casa.

Assustada, a mulher correu para dentro de casa e chamou o marido. Quando o policial militar chegou ao local, o homem já havia fugido. Apenas analisando as câmeras de segurança foi possível perceber que o tarado que estava com a genital à mostra e chamava pela vítima era um dos vizinhos, que mora na mesma rua do policial.

Veja imagens da carta e da caixa de chocolates enviados pelo stalker:

Na carta enviada pelo stalker à mulher do policial, ele relata que irá esperar o momento certo para convidá-la para jantar quando o companheiro não estiver em casa. “Espero que não conheça a identidade deste seu apaixonado. Quero ainda continuar desfrutando do anonimato, até o dia em que finalmente eu resolva me declarar. Você não faz ideia de quem sou eu”, diz a carta.

Veja imagens da investida feita pelo stalker:

O policial militar colheu todas as imagens que confirmam o crime de importunação intima, além das cartas e caixas de chocolate que comprovam que há uma perseguição. Todo o material foi encaminhado para a Polícia Civil, que registrou o boletim de ocorrência e investiga o caso.




Fonte: Metrópoles 

Postar um comentário

0 Comentários