Rose foi abusada antes de ser esfaqueada várias vezes no rosto e jogada em uma fossa. | Brazil News Informa



Rose foi abusada antes de ser esfaqueada várias vezes no rosto e jogada em uma fossa. | Brazil News Informa


Rose Paredes, de 39 anos, que foi encontrada morta no poço da própria casa, em Bandeirantes (MS), a 69,8 km de Campo Grande, foi abusada antes do crime, de acordo com as investigações. O suspeito do crime, Eduardo Gomes Rodrigues, de 53 anos, foi preso nesta segunda-feira (24), quando tentava fugir da cidade.

Segundo o delegado Jarley Inácio de Souza, o suspeito disse em depoimento que já havia mantido relações sexuais consentidas com a vítima duas vezes. No entanto, a investigação aponta que a versão apresentada pelo suspeito é falsa.

“As versões dele foram desconstruídas, nenhuma das versões dele se relacionam com a verdade, com o que dizem testemunhas, por exemplo”, informou o delegado.

Ainda segundo o suspeito, ele teria tido relações com a vítima no dia do crime, quarta-feira (19), e ela teria pedido para ele matar o esposo dela e que diante da negativa, a mulher teria partido para cima dele e então ele a golpeou com um pedaço de madeira.

Contudo, de acordo com a polícia não há evidências que comprovem o que ele diz. Pelo contrário, a perícia indica que a vítima foi atacada ainda deitada na cama.

Temos provas materiais de que ela foi atacada deitada na cama, acreditamos que a relação não foi consentida, foi estupro”, afirma o delegado.

 
Crime planejado

Segundo o delegado, Eduardo Gomes Rodrigues trabalhava em uma propriedade rural juntamente com o esposo de Rose e ele foi demitido recentemente. “Acreditamos que ele tenha despertado um interesse amoroso nela. Então, ele deu um jeito de ser mandado embora, já planejando ficar sozinho com ela, já que sabia que o marido dela aparecia a cada 15 dias”, afirma Jarley.

“Acredito que ela tenha relutado [ao estupro], tenha dito que contaria para o marido e ele cometeu o crime”, completa o delegado.

Investigações apontam que o suspeito golpeou a vítima com um pedaço de madeira antes de esfaqueá-la na região do rosto. Após o crime, ele arrastou o corpo de Rose até o poço da residência e queimou o colchão, a cama e a madeira envolvidos no crime.

“Ele vai responder por estupro, feminícidio, ocultação de cadáver, com agravantes como impossibilidade de defesa e outros”, explica o delegado.

Entenda o caso

Rose Paredes, 39 anos, foi encontrada morta no poço da própria casa, em Bandeirantes (MS). Conforme a perícia, ela foi morta com pelo menos oito golpes de faca no rosto. Desde quarta-feira (19), Rose estava sem manter contato com os familiares e amigos.

Eduardo Gomes Rodrigues dividia a casa com Rose e o esposo dela. Desde quarta-feira que Rose não respondia mensagens dos parentes em Campo Grande, nem do marido. Ao ser questionado sobre ela, o suspeito informou que Rose tinha fugido com um caminhoneiro.

Para procurar Rose, os familiares viajaram até Bandeirantes e foram até a residência em que ela morava. Ao chegarem ao local não encontraram ninguém, mas sentiram um cheiro forte vindo do quintal.

A Polícia Civil foi acionada e foi então que o corpo de Rose foi encontrado. “Quando destampamos o poço, vimos que o corpo estava lá”, explicou o delegado Souza.

Segundo a perícia, Rose foi morta com golpes de faca no rosto. Ao menos oito perfurações foram identificadas na vítima. Além disso, na residência foram encontrados uma cama e um colchão queimados. Segundo a polícia, há indícios de que o autor do crime tentou se livrar das provas do ocorrido.

Eduardo foi preso na manhã desta segunda-feira (24), quando tentava sair de Bandeirantes, município onde aconteceu o crime. Ele foi encontrado na rodoviária da cidade em ação conjunta da Polícia Civil e da Polícia Militar.

Fonte: Meio Norte

Postar um comentário

0 Comentários